terça-feira, 12 de julho de 2016

#24 - Cascais, 4 de Dezembro de 1941: Branquinho da Fonseca: «Meu Caro Carlos Queirós»

Rua Avelar, 1 - Cascais

Meu Caro Carlos Queirós

Retrato em que esteja só com o Régio, não encontrei. É verdade que tenho mais, mas não sei agora aonde. Verei se os encontro. Mas creio que em todas estaremos com outros amigos. Se não tiver muita pressa, em tendo as coisas mais arrumadas lhe direi.
Quanto à biobibliografia: nasci em Mortágua, no dia 4 de Maio de 1905, estudei em Lisboa os primeiros anos do liceu e o resto em Coimbra, onde me formei em direito (4 de Julho de 1930). Fui sócio fundador e director do Triptico e da Presença. Livros, tenho publicados os seguintes: Poemas (1926) -- Posição de Guerra (1928) -- Mar Coalhado (1931) -- Zonas (1932) -- Caminhos Magnéticos (1938) Teatro I (1940).
Está no prelo «O Barão» (novela); na forja «A Porta Férrea» (romance) e na gaveta: o «Vento de Longe» (poemas) e «Arredores do Mundo» (poemas em prosa).
Aqui tem tudo o que quer e mais alguma coisa, pois creio que só lhe interessa o que já foi publicado.

Disponha sempre
do seu amigo e admirador
Branquinho da Fonseca
Cascais
4-XII-41

Comentário - Em Janeiro do ano seguinte, Branquinho da Fonseca, um dos fundadores da mítica revista presença e também responsável pelo seu entusiasmante grafismo, tomaria posse do lugar de conservador  do então designado Museu-Biblioteca Condes de Castro Guimarães, lugar que desempenhou com grande competência e brilho, ensaiando no concelo de Cascais o sistema das bibliotecas itinerantes, que, na década seguinte, já na Fundação Gulbenkian, espalharia por todo o país, configurando um dos grandes serviços jamais prestados à ilustração dos portugueses.
Desconheço a que fins se destinava esta carta dirigida ao "presencista lisboeta" Carlos Queirós.
Já agora, uma nota pessoal: nascido em Mortágua, como se lê, Branquinho casar-se-ia com uma senhora de Cascais, por cá tendo ficado a residir, tendo falecido em casa, na Malveira da Serra, em 1974. Está enterrado no Cemitério da Guia, numa campa ao lado da dos meus bisavós.
Fac-símile publicado por David Mourão-Ferreira in Boletim Cultural, n.º1, Serviço de Bibliotecas Itinerantes e Fixas, Fundação Calouste Gulbenkian.

Sem comentários:

Enviar um comentário